Aparecidense x Campinense: veja prováveis escalações, desfalques e arbitragem para a final da Série D

Partida de volta da decisão acontece neste sábado, no Estádio Aníbal Toledo, a partir das 16h

— Foto: Arte / ge

Depois de aproximadamente cinco meses e meio, a Série D do Campeonato Brasileiro chega ao fim neste sábado, com a grande final entre Aparecidense e Campinense, que acontece às 16h, no Estádio Aníbal Toledo, em Aparecida de Goiânia. Os donos da casa jogam por um empate para levantar a taça, após terem conseguido uma vitória por 1 a 0 na partida de ida, que aconteceu em Campina Grande, no último sábado. Para o Campinense, só a vitória interessa: por um gol para levar para os pênaltis, ou por dois ou mais gols de diferença para ser campeão direto.

Aparecidense e Campinense estão entre as equipes que mais disputaram a Série D, com nove participações cada, perdendo apenas para o Central de Caruaru, que atuou em 11 edições da 4ª divisão nacional. Depois de muitas tentativas, o sonhado acesso aconteceu, com a equipe goiana se dando melhor contra o Uberlândia, e os paraibanos tirando o América-RN.

No primeiro jogo a Aparecidense venceu por 1 a 0, fora de casa — Foto: Samy Oliveira / Campinense

A Aparecidense fez uma campanha muito estável desde o início da competição. Foi líder do Grupo 5, com oito vitórias, quatro empates e duas derrotas na primeira fase. No mata-mata, passou por Caldense (perdendo na ida por 1 a 0 e vencendo por 3 a 1 na volta), Cianorte (0 a 0 no primeiro jogo e vitória por 1 a 0 no segundo) e conquistou o acesso contra o Uberlândia (vencendo fora por 1 a 0 e empatando em casa por 1 a 1). Na semifinal, despachou o ABC (vencendo em casa por 4 a 2 e perdendo no Frasqueirão por 1 a 0). Na primeira partida da final, deu um grande passo rumo ao título, vencendo fora de casa por 1 a 0, em Campina Grande, precisando apenas de um empate dentro de seus domínios, para levantar a taça da 4ª divisão. No total, a equipe goiana tem um aproveitamento de 65,21%.

O Campinense também teve uma campanha regular, se firmando no G-4 no Grupo 3 nas primeiras rodadas, terminando na segunda colocação, com sete vitórias, quatro empates e três derrotas. No mata-mata, a Raposa passou por Sergipe (dois empates, em 2 a 2 e 1 a 1, classificando-se nos pênaltis), Guarany de Sobral (duas vitórias: 2 a 1 em casa e 2 a 0 em Sobral) e conquistou o acesso diante do América-RN (dois empates em 0 a 0, avançando nos pênaltis). Na semifinal, tirou o Atlético-CE (1 a 1 em Horizonte e 3 a 1 em casa). No geral, o Rubro-Negro tem um aproveitamento de 56,52%.

Transmissão:

  • ge: o Tempo Real da partida começa uma hora antes de a bola rolar no Aníbal Toledo;
  • Rádio CBN Paraíba: nas ondas do rádio, a partida terá narração de Pedro Canisio, comentários de Leonardo Alves e reportagens de Afonso Carlos e Geovanna Teixeira.

Aparecidense: técnico – Thiago Carvalho

Os donos da casa vão com força total para o último jogo da temporada. O técnico Thiago Carvalho tem todos os atletas à disposição, contando inclusive com a volta do artilheiro do time, o atacante Alex Henrique, que desfalcou o grupo na primeira partida, por conta de uma lesão.

Provável escalação do Camaleão: Pedro Henrique, Rafael Cruz, Vanderley, Wesley Matos, Bruno Henrique e Rodrigues; Rodriguinho e Robert; David, Alex Henrique e Rafa Marcos.

Campinense: técnico – Ranielle Ribeiro

Ranielle terá alguns retornos para o confronto decisivo. O atacante Matheus Régis volta de suspensão automática e está à disposição, fazendo parte do grupo de 19 atletas relacionados. O atacante Marcus Nunes se recuperou de uma lesão na coxa e está liberado pelo departamento médico. Quem também retorna é o volante Rafinha, que teve uma recuperação surpreendente de uma lesão grave no joelho esquerdo. Os desfalques ficam por conta do meia Marcelinho, no DM por conta de uma entorse no tornozelo direito, e o goleiro reserva Camilo, recuperando-se de lesão muscular. Não há suspensos na Raposa.

Provável escalação da Raposa: Mauro Iguatu, Filipinho, Michel Bennech, Ítallo e Filipe Ramon; Rafinha, Serginho Paulista e Dione; Matheus Régis, Anselmo e Fábio Lima.

  • Árbitro: Rafael Claus (FIFA-SP)
  • Árbitro assistente 1: Daniel Paulo Ziolli (CBF-SP)
  • Árbitro assistente 2: Fabrini Bevilaqua Costa (FIFA-SP)
  • Quarto árbitro: Salim Fende Chavez (CBF-SP)
  • Quinto árbitro: Márcio Soares Maciel (CBF-GO)
  • Árbitro de vídeo: Vinícius Furlan (CBF-SP)
  • AVAR: Amanda Pinto Matias (CBF-SP)
  • Observador de VAR: Marrubson Melo Freitas (CBF-DF)

Fonte: Globo Esporte/PB