Estudante morto a tiros dentro de sala de aula, em João Pessoa, pode ter sido executado por engano, diz delegada

João Vitor Fontes da Silva, que morreu após ser atingido por tiros, dentro de uma escola, no dia 1º de junho, em João Pessoa, pode ter sido morto por engano. A informação é da delegada de homicídios Luísa Correia, que ressaltou a existência de outras linhas de investigação, mas que não pode dar mais detalhes no momento.

De acordo com a delegada, uma das hipóteses é que o alvo seria outro estudante de mesmo nome. Até o momento, nenhum suspeito foi identificado ou preso. O crime aconteceu dentro da Escola Cidadã Integral Cineasta Linduarte Noronha.

A investigação está analisando imagens das câmeras de segurança da unidade de ensino e depoimentos. Além disso, uma equipe de peritos está analisando a sandália e uma máscara provavelmente deixadas pelo suspeito do crime.

Conforme a Polícia Militar, o suspeito pulou o muro e entrou mascarado na escola procurando por João Vitor. O estudante chegou a correr para outra classe, mas foi executado dentro da sala de aula.

Ainda de acordo com a PM, o pai da vítima contou que o jovem não tinha envolvimento com crimes na região, e que havia sido contratado recentemente por um clube de futebol de Pernambuco. Em entrevista à TV Cabo Branco, o pai de João Vitor disse também que ele passou a estudar no turno da noite há pouco tempo, com o objetivo de conciliar os estudos com os treinos.

Segundo o pai de João Vitor, o time em que o filho havia sido contratado é o Santa Fé Futebol Clube, do Recife. Conforme o site do clube, o time foi fundado em 2021 com o compromisso de formar equipes oficiais exclusivamente com atletas oriundos de projetos e movimentos sociais, futebol de várzea e comunidades carentes.

Fonte: G1 PB