VÍDEO: Márcia Lucena diz que ‘Calvário’ é semelhante a ‘Lava Jato’ e que modus operandi é o mesmo na PB

A pré-candidata a deputada estadual e ex-prefeita do município de Conde, no Litoral Sul da Paraíba, Márcia Lucena (PT), concedeu uma entrevia ao programa Balanço Diário na TV Diário do Sertão nesta quinta-feira (9).

Na ocasião, Márcia falou sobre sua trajetória política e como tem se sentido injustiçada na Operação Calvário.

Ela comparou a Operação Calvário como sendo o mesmo modus operandi da Operação Lava Jato, que acabou condenando o ex-presidente Lula o qual chegou a passar mais de 500 dias detido. Segundo a ex-prefeita, os casos como o de Lula e o dela, parte de uma teoria que vem de um termo em inglês conhecido como ‘lawfare’, que seria “uma guerra feita com base na lei, a lei usada como uma arma de guerra”.

“Isso vem acontecendo no Brasil há um tempo, nós tivemos o presidente Lula que foi vítima de lawfare, porque Lula foi preso por mais de 500 dias e o processo absolutamente errado, viciado, porque agora recentemente tudo ruiu por terra, mostrando que aquilo foi uma situação armada, usando os instrumentos mesmo da Lei para atacar, atingir e derrubar, e quem sabe até matar um presidente que é uma referência de Esquerda internacional, mundial, como é o presidente Lula”, disse Márcia Lucena.

Ela pontuou como sendo o mesmo procedimento adotado na Paraíba contra ela e as outras pessoas que foram presas durante a Operação Calvário. Márcia disse que em 17 de dezembro de 2019, em torno de 17 pessoas foram presas. Ela falou que passou cinco dias no presídio feminino e depois ficou dois anos de tornozeleira eletrônica.

“A maior parte desses dois anos presa em casa, às noites, finais de semana, feriados, depois eu pude me locomover dentro da cidade do Conde, mas ainda não podia ir a João Pessoa, depois eu consegui ir a João Pessoa, e agora mais recentemente, nós conseguimos com a Justiça o direito de viajar a trabalho e depois o direito de viajar sem precisar dar satisfação à Justiça”, explicou.

A pré-candidata deu detalhes do porquê da semelhança no sentido da palavra inglesa lawfare: “Os trâmites legais, eles não são respeitados… para vocês terem uma ideia, eu fui presa e até hoje eu não sou ré, eu não respondo a nenhum processo…não caminhou o processo, só caminharam os abusos, as arbitrariedades”, destacou.

Fonte: Portal Diário